A discussão sobre o uso consciente de água e energia está em plena efervescência não só em todo o Brasil como também na Fiocruz. Com esta mesma preocupação, Bio-Manguinhos está adotando diversas ações a serem realizadas em 2015 com o objetivo de melhor monitorar este consumo. Tais ações estão alinhadas à Portaria nº 23 do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), publicada em 12 de fevereiro de 2015, que estabelece boas práticas de gestão e uso de energia elétrica e de águas nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional e dispõe sobre o monitoramento de consumo desses bens e serviços.

A primeira ação aconteceu no dia 20 de março, uma parceria da Assessoria de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente (AESTM) e da Comissão de Responsabilidade Socioambiental (Somar). Um colaborador da assessoria e outro do Somar realizaram um arrastão pelos setores de Bio, verificando tipos de vazamento, a quantidade desperdiçada, custo e até mesmo o comportamento dos usuários, que serviria de subsídio para as dicas de economia a serem enviados através de comunicados.

 

arrastao2 arrastao3

Torneiras, chuveiros, vasos sanitários e bebedouros foram conferidos pela equipe. Foram encontrarados algumas não conformidades

 

Essa ação contou com o apoio de dois jovens do Projeto Jovem Aprendiz. Para ajudar a conferir torneiras, chuveiros, vasos sanitários e bebedouros de 66 setores, a equipe contou com a ajuda dos profissionais de serviços gerais. O resultado da inspeção foi encaminhado ao Departamento de Engenharia e Manutenção (Depem), que imediatamente se prontificou a executar as ações corretivas.

Vinícius adianta que o objetivo é diminuir este consumo de água e energia ao máximo possível. “A assessoria está na fase de planejamento para implantação de um programa de uso consciente de água e energia, que consiste em cadastro de instalações e equipamentos, balanço de massas, estabelecimento de metas, plano de ação e campanhas educacionais, dentre outras. O plano de ações será colocado em prática no decorrer do ano e conta com a participação de todos os colaboradores” para que possamos promover a mudança cultural necessária nesse momento de crise hídrica. O programa pretende ser integrado com outras áreas e programas institucionais, como por exemplo o Somar e Banco de Ideias e Sugestões (BIS), coordenado pela Gestão do Conhecimento (GC), visando seu fortalecimento.

 

arrastao1 arrastao4

A equipe visitou 66 áreas, anotando todos os detalhes para o relatório. Eles tiveram a ajuda dos colaboradores de Serviços Gerais

 

Antes mesmo do programa sair, no início de fevereiro, Caroline Mayerhofer de Souza, da Seção de Captação e Desenvolvimento de Recursos Humanos (SEDRH), havia solicitado ao BIS ações com este fim. A colaboradora consciente, em sua sugestão, exemplificou algumas dicas simples: “Em virtude do momento atual do país, acho que poderia enviar dicas de economia de energia e de água para todos os colaboradores, como não deixar o carregador conectado na tomada sem estar carregando algum aparelho e desligar computador no final do expediente”.