cong-interno-100x100-2No sengundo dia da Plenária Extraordinária do 6º Congresso Interno da Fiocruz seguem as atividades dos Grupos de Trabalho, que reuniram-se ontem (9/5) à tarde, após a abertura da Plenária. São mais de 300 delegados e observadores, divididos em dez grupos de trabalho na Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio para discutir a primeira parte do Documento de Teses, conforme definido pelo regime interno. Nesta da manhã foram apreciados os itens específicos da empresa pública controlada (subsidiária) da Fiocruz. À tarde, o foco é o eixo dois do Documento que trata das propostas melhorias incrementais para a instituição.

Os participantes destacaram a necessidade de a saúde estar, no Documento de Teses, definida, em primeiro lugar, como um direito de cidadania e dever do Estado, além de contribuir também para o dinamismo econômico. Durante as discussões nos grupos de trabalho, houve espaço ainda para o debate sobre a impossibilidade atual de a Fiocruz, como instituição autárquica, receber recursos de entidades como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). O que para alguns participantes é definido como um fato, para outros poderia ser um aspecto alterado com atuação política e mudanças incrementais.

A Plenária termina na sexta (11/5) com a votação sobre a proposta de criação de uma empresa pública federal para a área de produção, principal pauta de deliberação do evento. Leia mais aqui para entender o processo desse momento especial do Congresso Interno da Fiocruz.

 

*Com informações dos jornalistas: Leonardo Azevedo e Mara Figueira/Coordenadoria de Comunicação Social/Fiocruz

 

Voltar à pagina inicial

Outras notíciasarrow-2