Bio inaugura o Centro de Pesquisa Clínica e Laboratório de Processamento de Amostras Biológicas Lincoln de Freitas Filho

O Centro Municipal de Saúde (CMS) Lincoln de Freitas Filho, no bairro de Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, ganha em 9 de novembro um Centro de Pesquisa Clínica e Laboratório de Processamento de Amostras Biológicas.
A inauguração contou com as presenças do vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Marco Aurélio Krieger; o diretor de Bio-Manguinhos/Fiocruz, Maurício Zuma; o coordenador da Cooperação Social da Fiocruz, José Leonídio Madureira Sousa Santos; e a superintendente de Vigilância em Saúde do Município do Rio de Janeiro, Cristina Lemos; dentre outras autoridades.

A unidade é o segundo centro de pesquisas clínicas do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fundação Oswaldo Cruz (Bio-Manguinhos/Fiocruz) fora do campus da Fiocruz em Manguinhos, e fruto de parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) do Município do Rio de Janeiro.

“O Centro demonstra a extensão de competências que desejamos ver traduzida na cadeia de inovação da Fiocruz, da bancada à produção, passando pelos estudos clínicos”, afirmou Krieger.

Mauricio Zuma agradeceu à parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, não apenas na inauguração do Centro mas também na colaboração para a captação de participantes de estudos desenvolvidos pelo Instituto. “Esse centro colaborará para conseguirmos uma grande conquista de Bio-Manguinhos, a vacina MeningoC, nosso primeiro produto totalmente autóctone”, ressaltou o diretor.

Cristina Lemos agradeceu a Bio-Manguinhos a confiança pelas parcerias estabelecidas com SMS do Rio de Janeiro. “Trabalhos de alta complexidade técnica e científica são estabelecidos conosco, numa prova de confiança mútua em prol da saúde pública”, comentou.

Coordenadora da Assessoria Clínica (Asclin) de Bio- Manguinhos, Maria de Lourdes de Sousa Maia comemorou a inauguração do novo espaço e o impacto positivo que o memso terá nas atividades de pesquisa clínica do Insttituto. "Nossas atividades se desenvolverão com grande melhoria de processos e logística", comentou.

 

430x285
Centro está preparado para servir aos estudos clínicos de novos medicamentos
para o SUS. 
Imagem: Paulo Schueler - Ascom Bio-Manguinhos/Fiocruz

 

O espaço conta com 13 ambientes que foram reformuladas e validadas para atender à legislação sanitária brasileira, além das Boas Práticas de Laboratório (BPL) e Boas Práticas Clínicas (BPC). Localizado dentro do Centro Municipal de Saúde Lincoln de Freitas Filho, no novo espaço foi instalado ainda Laboratório de Processamento de Amostras Biológicas - nível de biossegurança NB2, o qual será referência para recebimento, processamento e armazenamento de amostras biológicas oriundas de pesquisas realizadas em localidades próximas.

No espaço será possível realizar pesquisas multicêntricas (realizadas em diferentes unidades de saúde simultaneamente), para desenvolver vacinas, biofármacos e reagentes para diagnósticos voltados para atender a demanda do Ministério da Saúde e, em alguns casos, da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ao estar inserido em local de atenção básica de saúde, o novo centro permite a integração da pesquisa com a assistência básica, contribuindo com a qualificação de profissionais que atuam na ponta do Sistema Único de Saúde (SUS) nos temas científicos e tecnológicos referentes a estes produtos.

Tais estudos poderão resultar em novos produtos, que posteriormente abastecerão esta mesma unidade de saúde pública, em benefício da população local.

 

O estudo da vacina meningoC

O primeiro estudo clínico a ser realizado nestas novas instalações do Centro se inicia no próximo dia 12: trata-se do Estudo clinico de fase II/III para avaliação de imunogenicidade, reatogenicidade e segurança da vacina contra a doença meningocócica do sorogrupo C produzida por Bio-Manguinhos/Fiocruz (MenCC-Bio) em lactentes, crianças e adolescentes - Projeto vacina conjugada contra meningococo C brasileira.

Este trabalho tem por objetivo avaliar a imunogenicidade da vacina MenCC-Bio em indivíduos de 3 meses a 19 anos de idade, em relação à vacina contra meningococo C atualmente disponibilizada pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI); e também conferir a segurança e reatogenicidade da vacina MenCC-Bio, em indivíduos de 3 meses a 19 anos de idade.

O estudo terá 1.683 participantes voluntários que serão captados em seis locais, dois quais outros dois estão localizados na Zona Oeste do Rio de Janeiro – o Centro Municipal de Saúde Waldyr Franco, em Bangu; e a Clínica da Família Sonia Maria Ferreira Machado, em Santíssimo.

Presente ao evento, a gerente do projeto da vacina MeningoC, Ivna Silveira comemorou a inauguração do Centro e o que ele significará para a aprovação do novo produto. “Este trabalho, de muitas pessoas, é importante pela contribuição que dará ao Programa Nacional de Imunizações (PNI)”, ressaltou.

 

Lincoln de Freitas Filho, o primeiro diretor da Escola Nacional de Saúde Pública

Nascido em 1908, Lincoln de Freitas Filho foi médico sanitarista formado pela Faculdade de Medicina da Universidade do Rio de Janeiro, em 1929. Trabalhou na clínica médica entre 1930 e 1984. Cursou mestrado na John Hopkins School of Hygiene, entre 1937 e 1938, recebendo “Chave de Ouro” devido à excelência de seu curso. Foi membro titular da Delta Omega Society em 1938.

Em abril de 1954, assume a direção dos Cursos do Departamento Nacional de Saúde – sendo considerado o primeiro diretor da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), a direção da Divisão de Organização Sanitária (fevereiro de 1961 a novembro de 1961) e a direção da Escola Nacional de Saúde Pública (de novembro de 1961 a abril de 1964). Recebeu do presidente João Goulart, em 1964, a Ordem do Mérito Médico, no grau de Oficial. Foi eleito membro honorário da Academia Nacional de Medicina em 1972.

 

Jornalista: Paulo Schueler

   

​