Acesso à informação #CopaDasCopas

Especialista não vê razão para alarme com aumento dos casos de caxumba no Rio

Entre 1º de janeiro e 7 de julho deste ano, o estado do Rio de Janeiro notificou 66 surtos de caxumba com o registro de 606 casos, contra 561 em 2014, mas o consultor científico do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), pediatra Reinaldo Menezes Martins, não vê razão para alarme com o aumento de 45 casos nos primeiros seis meses de 2015.

 

Os dados são da Secretaria de Estado de Saúde e Martins informa que “o Ministério da Saúde está avaliando a situação junto às secretarias. É sempre indesejável que isso ocorra, mas não vejo motivo para tanta celeuma, até porque o que está acontecendo aqui não é privilégio do Brasil”.

 

Segundo o médico, o que está ocorrendo agora no Brasil já foi verificado na Europa e nos Estados Unidos: “A vacina de caxumba, dentro da tríplice viral, que é sarampo, caxumba e rubéola, é a que mais tem falhas vacinais. Isso é sabido. Não é uma coisa nova. Muitos surtos já foram investigados nos Estados Unidos e na Europa”.

 

caxumba-rj-globo

Só esse ano, foram 606 casos da doença no estado do Rio.
Imagem: Rede Globo / Reprodução

 

O pesquisador explica que estudos foram realizados no Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos com relação à eficácia da primeira e da segunda dose da vacina contra a doença, sendo extremamente positiva. Ele diz que, como naquele país a notificação da doença é obrigatória, o que não ocorre no Brasil, os números refletem a realidade. Depois que se utilizou a vacina de caxumba em larga escala nos Estados Unidos, o número de casos caiu: “Lá a caxumba é de notificação obrigatória e fica fácil verificar, aqui entre nós, os registros são falhos, até porque não tem notificação obrigatória”. 

 

De acordo com o consultor científico de Bio-Manguinhos, os percentuais comprovam que, mesmo com as duas doses, não há proteção completa. No entanto, chama a atenção que, apesar das falhas vacinais e dos surtos que ocorrem, a eficácia da vacina foi comprovada nos Estados Unidos.
“Comparando os casos de caxumba antes e depois da introdução da vacina, o número caiu de uma maneira muito acentuada. Não se consegue eliminar a doença. Há falhas vacinais, mas, no cômputo geral, é uma vacina bastante efetiva contra a caxumba”, ressalta o pediatra.

 

Segundo Reinaldo Menezes, a notificação não é obrigatória no Brasil porque, comparada a outras doenças, a caxumba é uma infecção relativamente benigna, que até pode causar meningite, mas na maioria dos casos não deixa sequelas. Além disso, há outras doenças que podem provocar inflamação da glândula parótida, que fica embaixo da orelha e, em alguns casos, é um dos sintomas da caxumba: “Nem toda caxumba incha a parótida. Isso é um problema e também há inflamação da parótida que não é causada pelo vírus da caxumba”.

 

O pesquisador destaca ainda que a segunda dose da vacina faz falta. Inicialmente, a indicação no Brasil era de aplicação da tríplice viral em crianças com até 12 meses e a segunda dose entre quatro e cinco anos de idade, mas como se verificou que nesta segunda faixa etária a cobertura vacinal era muito baixa, o prazo foi alterado para 15 meses na segunda dose. “Aproximamos para melhorar a cobertura da tríplice viral”, diz o especialista.

 

O Bio-Manguinhos é responsável pelo processamento final com a rotulagem e a distribuição das vacinas para os postos de saúde do país. Segundo o médico, laboratórios particulares produzem vacinas que foram avaliadas pelo instituto e o resultado do produto foi semelhante.

 

De acordo com o instituto, em 2013 o Bio-Manguinhos processou e distribuiu 28 milhões 895 mil doses da tríplice viral e 1 milhão 498 mil da tetravalente viral, que inclui a catapora. No ano passado, foram 11 milhões 603 mil vacinas tríplice e 3 milhões e 220 mil tetravalente.

 

 

Fonte: Cristina Índio do Brasil / Agência Brasil

Imagem da home: Bernardo Portela - Ascom / Bio-Manguinhos

  

 

Voltar à pagina inicial

Outras notíciasarrow-2