vacina srampo png

A primeira vacina contra o sarampo foi introduzida no Brasil na década de 1960, mas, como o imunobiológico era importado, sua implementação efetiva no país só foi possível após a criação do Programa Nacional de Imunizações (PNI), em 1973.

Para reduzir a dependência externa no fornecimento da vacina, o governo brasileiro começou a apoiar projetos voltados para o desenvolvimento de imunobiológicos. Por meio de um acordo de cooperação técnica entre a Universidade de Osaka (Fundação Biken), Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) e a Fiocruz, em 1980, ficou estabelecida a criação de uma planta de produção da vacina sarampo em Bio-Manguinhos.

Em outubro de 2003, Bio-Manguinhos e a GlaxoSmithKline assinaram um acordo de transferência de tecnologia da vacina sarampo, caxumba e rubéola (tríplice viral). A partir de 2004, foi iniciada a assimilação da tecnologia e o processamento final da vacina em Bio-Manguinhos. Ao final desse processo, a vacina será totalmente produzida no Brasil.

De acordo com o Ministério da Saúde, a incidência da doença é reduzida nos países que conseguem manter altos níveis de cobertura vacinal. O sarampo continua a ser uma das principais causas de morte entre crianças pequenas em todo o mundo, apesar de haver uma vacina segura e eficaz. Aproximadamente 110 mil pessoas morreram por sarampo em 2017 – a maioria crianças com menos de cinco anos.

As atividades aceleradas de imunização tiveram um grande impacto na redução das mortes por sarampo. De 2000 a 2017, a vacinação contra o sarampo evitou aproximadamente 21,1 milhões de mortes. O número de óbitos pela doença no mundo caiu 80% no período – passando de 545 mil no ano 2000 para 110 mil em 2017.

Por isso, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) recomenda aos países das Américas que mantenham a cobertura vacinal da população-alvo em ao menos 95% (com duas doses da vacina) e fortaleçam a vigilância epidemiológica, a fim de aumentar a imunidade da população e detectar/responder rapidamente a casos suspeitos de sarampo.

No entanto, de acordo com recentes atualizações epidemiológicas da Opas, 12 países das Américas notificaram 17.361 casos confirmados de sarampo entre 2018 e janeiro de 2019. No Brasil, em 2019, foram confirmados 6.640 casos da doença.

Bio-Manguinhos vem trabalhando firme para entregar a vacina tríplice viral ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), deixando-a disponível nos postos de saúde. Em 2018, foram fornecidas 30 milhões de doses. Apesar das altas coberturas vacinais registradas no país, ainda há “bolsões” de pessoas não vacinadas.