poliomielite conquistas saude publica interna

A erradicação dos vírus selvagens da poliomielite nas Américas é um marco notável da saúde pública. A Fiocruz contribuiu de forma decisiva para este resultado, com Bio-Manguinhos tendo um papel de destaque na formulação e fornecimento da vacina oral. Sendo a poliomielite ainda um problema mundial, é importante ressaltar o trabalho realizado pela Fiocruz para a erradicação da doença no Brasil e nas Américas.

Em 1981 foi firmado um acordo de cooperação entre os governos do Brasil e do Japão, tendo como objetivo a transferência de tecnologia de produção da vacina contra a poliomielite para Bio-Manguinhos. Como parte fundamental do processo, o Instituto recebeu a colaboração do Departamento de Virologia do IOC, para o estabelecimento e a organização do Laboratório de Controle de Qualidade da vacina oral da poliomielite (OPV).

Em 1986, quando ocorreu uma epidemia de poliomielite provocada pelo poliovírus tipo 3 na região Nordeste, em população com altas taxas de cobertura vacinal, Bio-Manguinhos disponibilizou em apenas 40 dias formulações de vacina monovalente tipo 3 e trivalente potencializada para o sorotipo 3. A formulação foi adotada pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) no final da década de 1980 para todos os países da América Latina e hoje é adotada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para todos os países de clima tropical.
Em 1989, ocorreu o último caso de poliomielite por vírus selvagem em Pernambuco e em 1994 o Brasil obteve o certificado da Opas da eliminação da poliomielite.

A vacina inativada da poliomielite (VIP) oferecida nos postos de saúde desde 2012 é fruto de um acordo de Bio com a Sanofi Pasteur. A vacina de pólio oral continua disponível na rede pública, devendo a criança tomar duas doses de VIP (aplicação intramuscular) e duas doses da vacina oral. As doses da VIP visam minimizar o risco, que é raríssimo, de paralisia associada à vacina, e as da OPV, manter a imunidade populacional.

Em 2018, o Instituto produziu e entregou ao Programa Nacional de Imunizações 16,7 milhões de doses da VIP e 23,3 milhões de doses da vacina oral.