Para debater os desafios do conhecimento, inovação para a saúde, desenvolvimento e cidadania, a Fiocruz iniciou dia 19/8 os trabalhos do Congresso Interno. Na abertura de sua sétima edição, o encontro, que reforça a tradição democrática e a gestão participativa na Fundação, contou com a presença do ministro da saúde, Artur Chioro. O presidente da Fundação, Paulo Gadelha, destacou a importância deste momento para a instituição, especialmente para deliberar sobre temas estratégicos com representantes de todas as unidades. “Desde 1988, os Congressos Internos têm reforçado nosso papel estruturante. Hoje, precisamos nos unir e estar preparados para atender as novas demandas do Sistema Único de Saúde (SUS)", acrescentou.

 

congresso-interno-1

Gadelha relembrou primeira edição do Congresso Interno

Imagem: Bernardo Portella - Ascom/Bio-Manguinhos

 

O secretário estadual de saúde, Marcus Musafir, também compareceu à cerimônia, representando o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão. “A Fiocruz, consciente de sua atuação para a saúde pública brasileira, deve aproveitar momentos como este para refletir sobre sua visão de futuro”, declarou.

Em seguida, Artur Chioro saudou os delegados e ressaltou o valor do comprometimento de todos para que a saúde cada vez mais se configure como tema central na agenda de desenvolvimento político do país. “A contribuição da Fiocruz para que a saúde fosse vista como eixo central em um projeto de nação é inegável nestes quase 26 anos de SUS”, afirmou.

Apresentando temas de destaque na atual pauta da saúde pública nacional, como mudanças no perfil epidemiológico, necessidade de formação profissional, proteção, promoção e vigilância em saúde e como a Fiocruz terá papel cada vez mais vital neste cenário, Chioro relembrou os desafios das Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDP), sendo que um terço delas é firmada com a Fiocruz.

 

votacao

Participação de todas as unidades reforça tradição democrática da Fiocruz

Imagem: Bernardo Portella - Ascom/Bio-Manguinhos

 

O vice-presidente de Gestão e Desenvolvimento Institucional da Fiocruz, Pedro Barbosa elogiou a presença em massa dos novos servidores eleitos, o que marca a renovação e o caráter dinâmico do Congresso. Na parte da tarde, os dez grupos de trabalho irão continuar os debates. Os delegados e suplentes eleitos de Bio-Manguinhos participam de todos os dias do evento. 

 

delegados

Delegados e suplentes eleitos de Bio-Manguinhos participam de todos os dias do evento

Imagem: Bernardo Portella - Ascom/Bio-Manguinhos

 

O debate de encerramento do VII Congresso Interno aconteceu na sexta-feira (22/8), com a aprovação da Carta Política, documento que reafirma o compromisso da Fundação Oswaldo Cruz com os desafios do Sistema Único de Saúde (SUS).  Por decisão da plenária, o Estatuto da Fiocruz foi retirado da pauta de votação e foi aprovada ainda uma moção que reafirma o compromisso da instituição com princípios pró-equidade de gênero e raça.

Decisões

Devido aos desdobramentos dos debates e a insuficiência de tempo para cumprir a agenda completa, o Documento de Referência será votado em novo encontro, já marcado para a primeira semana de dezembro.  No que se refere aos temas que não puderem ser avaliadas no 6º Congresso Interno, optou-se por sua deliberação em uma plenária extraordinária, que deve acontecer somente no próximo ano.

Tanto o texto do Documento de Referência com as contribuições dos grupos que irá para votação, quanto a Carta Política já aprovada, ficarão disponíveis no site do Congresso Interno. Confira aqui a galeria de fotos. 

Sobre o Congresso Interno

O Congresso Interno é o órgão máximo de representação da comunidade da Fundação Oswaldo Cruz. A ele compete deliberar sobre assuntos relacionados ao macroprojeto institucional, sobre o regimento interno e propostas de alteração do estatuto, bem como sobre matérias de caráter estratégico para os rumos da instituição. As competências desse órgão colegiado estão explicitadas no Estatuto da Fiocruz.

A cada quatro anos, o Congresso Interno se reúne. É presidido pelo presidente da Fiocruz e composto por delegados eleitos pelas unidades, em número proporcional aos de seus servidores. A primeira edição do Congresso Interno ocorreu em 1988, durante a gestão de Sérgio Arouca.

   

Jornalista: Isabela Pimentel 

 

altalt Voltar à pagina inicial

Outras notíciasaltarrow-2