gadelha-wagner-pequena“Uma das áreas mais estratégicas desta Fundação”. Com estas palavras, o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, cumprimentou os assessores de comunicação das unidades presentes no fórum que reuniu os profissionais da área, no dia 30 de julho, na Residência Oficial.

Um dos objetivos do encontro foi apresentar a nova coordenadora de Comunicação Social da Fiocruz, Elisa Andries, na Fundação há 12 anos e até então coordenadora de comunicação da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz).  

Seu antecessor, Wagner Oliveira, que ocupava o cargo desde 2009, ressaltou a importância dos fóruns para superar a visão fragmentada entre as unidades e promover trocas de experiências. “Desde 2009, foram realizados mais de 60 encontros como este, mas esta é a primeira vez que um presidente da Fundação está presente na mudança de cargo”, disse, orgulhoso. 

Oliveira destacou a atualização do sistema de WebTV em todo o campus, o aprimoramento do concurso público da Fiocruz, e a transmissão em tempo real das reuniões do Conselho Deliberativo da Fundação como principais ganhos de sua gestão. Emocionada por assumir o que considerou o maior desafio da sua carreira, Andries relembrou sua trajetória profissional e mostrou uma reportagem escrita por ela em 1989, quando era repórter do O Globo, sobre a posse de Akira Homma como presidente da Fiocruz (1989-1990), sucedendo Sérgio Arouca (1985-1989).

 

gadelha-wagner-grande

Oliveira se orgulhou da presença de Gadelha na mudança de cargo - Imagem: Peter Illiciev



Após seu discurso inicial, Elisa apresentou as orientações do que é ou não permitido no período eleitoral (5/7 a 5/10) em materiais e meios de comunicação, elaboradas pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) e a Advocacia-Geral da União (AGU). Outro ponto colocado por ela foi a proposta de reformulação da marca Fiocruz e criação de um manual de aplicação. Um grupo de trabalho foi composto para trabalhar na nova proposta.

Ao final, o vice-presidente de Gestão da Fiocruz e coordenador da Comissão Organizadora do 7º Congresso Interno, Pedro Barbosa, ressaltou a importância da divulgação do evento nas unidades, especialmente para os novos servidores. “Este momento é privilegiado para pensar na Fiocruz que queremos para o futuro, para definir as estratégias e metas”, concluiu.

 

Jornalista: Isabela Pimentel

 

altalt Voltar à pagina inicial

Outras notíciasaltarrow-2