propriedade-intelectualPara discutir a relação entre propriedade intelectual e patentes, Bio-Manguinhos, em parceria com a Associação Brasileira das Indústrias de Química Fina (Abifina) promoveu, no dia 9 de junho,  uma oficina sobre o tema. A consultora em Inovação e Propriedade Intelectual e gerente técnica e de Propriedade Intelectual da Abifina, Ana Claudia Dias, apresentou a importância da prospecção tecnológica na indústria farmacêutica.

A especialista explicou que o conhecimento sobre a estrutura e funcionamento das patentes é instrumento fundamental para conhecer o mercado.  A prospecção, como método de inteligência competitiva, permite obter dados para tomada de decisão, verificar a relevância da pesquisa e direcioná-la, fundamentar investimentos e perceber lacunas de mercado. “Uma empresa de pesquisa e desenvolvimento precisa prospectar para obter base de dados para novos investimentos”, afirmou.

Diferenciando conhecimento e informação, Dias explicou que após o depósito da patente, é necessário um período de sigilo de 18 meses e que depois esse período, os conteúdos podem ser apresentados em artigos científicos e eventos. Outro ponto detalhado foi a diferença entre patente e segredo indústria. " O primeiro é proteção contra exploração comercial e tem prazo, em geral, de até 20 anos após o depósito, com disponibilização integral das tecnologias após prazo de vigencia, enquanto segundo é uma proteção da informação com duração indefinida", esclareceu.

 

oficina-abifina

Para a consultora, prospecção tecnológica é vital para inovação

Imagens da matéria: Ascom/Bio-Manguinhos

 

A consultora reforçou que a prospecção permite verificar a relevância das pesquisas e conhecer alternativas técnicas, especialmente nos dias atuais, em que o crescimento anual de documentos de patente ao ano chega a 600 mil, em todos os campos tecnológicos. "Ao patentear uma pesquisa, o pesquisador permite sua classificação internacional, em formato universal", concluiu. 

Além de colaboradores de Bio-Manguinhos, estiveram no encontro representantes de unidades da Fiocruz, como o Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos) e do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), dentre outros. 

 

Jornalista: Isabela Pimentel

 

altalt Voltar à pagina inicial

Outras notíciasaltarrow-2