Dos 58 trabalhos aceitos pela Comissão Científica do II Seminário Científico e Tecnológico em Imunobiológicos, ocorrido no Museu da Vida de 28 a 30 de maio, 24 foram apresentados oralmente e seis, premiados. Bio-Manguinhos, que promove este evento anualmente, pretende fomentar o desenvolvimento científico na unidade e atuar em prol da capacitação e inovação na saúde brasileira. Os anais com os resumos de todos os trabalhos científicos estarão disponíveis no Repositório Institucional Arca em breve.

 

patriciaQuem conquistou o 1º lugar, com o Prêmio Oswaldo Cruz, foi Patricia Alvarez, que ficou em 2º lugar na edição passada. Seu trabalho se tratou da Incorporação do alvo HBV no kit NAT brasileiro produzido por Bio-Manguinhos. A gerente do Projeto kit NAT comentou que ganhar ano passado foi fantástico. “Em 2013, o NAT já estava consolidado na hemorrede nacional e ter a oportunidade de apresentar a efetividade do kit NAT com o número de janelas que o produto detectou, foi uma oportunidade de apresentar um projeto de desenvolvimento com seu ciclo completo. A colocação dos três trabalhos de nosso grupo apresentados em 2014, são apenas a síntese do que vem sendo feito com muito esforço”, explicou Patrícia.

Com relação ao Prêmio Oswaldo Cruz, ela considerou “uma glória”. Em três meses, especialistas e profissionais do grupo padronizaram a detecção do HBV no âmbito do desenvolvimento. “Sou especialista da Fiocruz, atuando em Bio-Manguinhos naquilo que aprendi na universidade, que me deu competências relacionadas a diagnóstico molecular e aplicações práticas para a melhoria da saúde pública brasileira. O prêmio nos dá a sensação de que estamos no caminho certo, colhendo frutos que são resultado do trabalho do grupo que lidero e faço parte”, ressaltou Patrícia.

Ela concluiu observando que a área de diagnóstico em Bio-Manguinhos, em especial as ações relacionadas ao desenvolvimento tecnológico, precisam, cada vez mais, obter o respeito e reconhecimento de sua importância. “Acredito que o prêmio e a divulgação do nosso trabalho ajudem a ampliar o apoio que precisamos para cumprir a nossa missão em prol da população brasileira”.

 

lucianeLuciane Martins trabalha em Bio há seis anos e ganhou o 2° lugar, o Prêmio Carlos Chagas. Sua pesquisa foi a Proposta de um sistema integrado de identificação e investigação de microorganismos no Controle de Qualidade em Indústrias Farmacêuticas. Emocionada, ela falou dos desafios dela e seu grupo. “Foi uma honra poder apresentar nosso trabalho e outra maior receber uma premiação por isso. Esse reconhecimento nos emocionou bastante, pois espelhou o nosso esforço para resolver problemas da rotina no controle de qualidade”, afirmou Luciane.

Em uma visão otimista de futuro, a vice-campeã informa: “Esperamos continuar apresentando propostas e projetos que sejam úteis para nossa unidade”.

 

rafaelEm 3º lugar, ganhando o Prêmio Alcides Godoy, ficou o tecnologista em saúde Rafael Resende. O trabalho apresentado foi High-throughput cloning and expression of human ABC transporters in Baculovirus/ Insect Cell system customized for X-ray crystallography studies. “Sinto-me lisonjeado em receber este prêmio, especialmente no momento em que Bio-Manguinhos passa a reforçar o seu papel na divulgação científica com a realização de um seminário de grande relevância para a saúde pública”, destacou Rafael.

Ele completou dizendo que cada trabalho exposto representa uma parcela do esforço dos grupos de pesquisa e desenvolvimento tecnológico da Fiocruz. “Esses pesquisadores estão na busca da melhoria na qualidade de vida das milhões de pessoas que dependem do sistema público de saúde”, opinou.

 

Jovens talentos se destacaram no evento

perielaA Jovem Talento Periela Vasconcelos conquistou o Prêmio Sérgio Arouca, apresentando o projeto Padronização de uma metodologia de ensaio na plataforma de microarranjos líquidos utilizando sífilis como modelo. “Eu, juntamente com a equipe do projeto de microarranjos líquidos, desenvolvemos esse trabalho com bastante empenho em tão pouco tempo. Sendo assim, foi muito emocionante e motivador receber esse reconhecimento”, contou.

Para ela, essa pesquisa representa uma contribuição para a plataforma de microarranjos líquidos por diversos outros setores. “Com essa premiação, minha carreira foi marcada positivamente pela importância deste trabalho para questões envolvidas em saúde pública”, disse Periela, que é bolsista do Mestrado Profissional em Tecnologia de Imunobiológicos (MPTI).

 

izabellaA Jovem Talento Izabella Buty, do Laboratório de Macromoléculas, ficou com o Prêmio Evandro Chagas. Seu trabalho foi Effect of zinc on the structural stability of pneumococcal surface antigen A (PsaA). Para ela, foi muito gratificante ter a pesquisa escolhida como uma das melhores apresentadas no evento. “Foi bastante emocionante, depois de tanto trabalho envolvido neste estudo. Com certeza, isso trará uma influência muito boa para meu currículo. Bio é uma instituição reconhecida cientificamente e receber um prêmio tão importante do Instituto é um ganho imenso para minha carreira”, reconheceu.

Ela explicou que este é um projeto que poderá ser útil no desenvolvimento de vacinas ou de terapias contra Streptococcus pneumonie através de uma abordagem ainda não vista na unidade. “É uma pesquisa que utiliza técnicas para caracterização estrutural que não haviam sido utilizadas anteriormente em Bio-Manguinhos”, concluiu Izabella.

 

rafael1O Jovem Talento Vinícius Lisboa conquistou o Prêmio Henrique Penna e sua pesquisa foi sobre Clonagem e expressão de anticorpo monoclonal anti-CD20 recombinante - primeiros passos para desenvolvimento de novos anticorpos terapêuticos contra o câncer. “Ficar entre os melhores dentro de uma Instituição, com tanta gente competente, e ainda sendo um aluno de Iniciação Científica é surpreendente. Foi uma surpresa agradável”, comentou.

Para ele, o prêmio foi um incentivo para continuar trabalhando, pois ainda está no início da carreira. “É um projeto promissor. O seminário foi sobre inovação e o nosso trabalho incentiva o início dos testes com uma nova molécula. Para o Programa de Biofármacos e para o Laboratório de Tecnologia Recombinante, gostaria de agradecer, pois, sem eles, eu realmente não conseguiria”, disse Vinícius.

 

Jornalista: Gabriella Ponte
Imagens da matéria: Ascom/Bio-Manguinhos

 

altalt Voltar à pagina inicial

Outras notíciasaltarrow-2