aedes-100x100Os pesquisadores Christovam Barcellos, coordenador do Observatório de Clima e Saúde (Icict) e Marília Sá Carvalho, do Programa de Computação Científica (PROCC/VPEIC) são co-autores de um artigo sobre o risco de dengue durante a Copa do Mundo. O estudo, realizado entre fevereiro e abril, descreve um sistema de alerta desenvolvido para apontar o risco de epidemia de dengue nas 12 cidades onde os jogos acontecerão.

O artigo dos profissionais da Fiocruz foi publicado dia 17/5 na revista científica inglesa The Lancet Infectious Deseases. A pesquisa foi conduzida por uma equipe interdisciplinar de climatologistas, especialistas em saúde pública e matemáticos da Espanha (Instituto Catalão de Ciências do Clima), Reino Unido (Met Office, Universidade de Exeter) e Brasil (Programa Nacional de Controle da Dengue do Ministério da Saúde e Fiocruz).

Baseado em um modelo que utiliza informações climáticas para predizer a ocorrência de epidemia de dengue nas cidades dos jogos no período de realização da Copa, o artigo aponta que essa probabilidade é pequena. “Esse artigo foi inicialmente pensado em resposta a um certo alarmismo da mídia internacional sobre o risco aumentado de dengue. Resolvemos utilizar os modelos que desenvolvemos anteriormente para avaliar esse risco, esclarece Marília Carvalho.

 

icict denguecopa

O mosquito Aedes aegypti, um dos vetores da dengue - Imagem: Muhammad Mahdi Karim

 

O estudo indica que teremos baixa incidência (menor do que 100 casos/100 mil habitantes) em Brasília, Cuiabá, Curitiba, Porto Alegre e São Paulo, e média (entre 100 a 300 casos) no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador e Manaus. Considerando que o Ministério da Saúde define um risco alto como sendo acima de 300 casos para cada 100 mil habitantes, existe uma probabilidade de Recife, Fortaleza e Natal chegarem a esse número de casos ou mais. Mas a probabilidade disso acontecer não é alta: 19%, 46% e 48%, respectivamente. Considerando essa chance, acreditamos que a maior probabilidade é que não tenhamos epidemia. "Além disso, o alerta permite que medidas pontuais sejam tomadas nessas cidades, diminuindo ainda mais essa chance", complementa Marília Carvalho.

Segundo o estudo, o clima interfere na transmissão da dengue em regiões geralmente epidêmicas para a doença, caracterizadas por chuva e altas temperaturas. “Com o Observatório de Clima e Saúde, que disponibiliza informações sobre desastres climáticos e seus impactos em curto, médio e longo prazos sobre a saúde, foi possível obter informações de bases de dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) e Sistema de Informações Hospitalares (SIH), do Ministério da Saúde, entre outros, para a pesquisa”, detalha o pesquisador Christovam Barcellos.

Segundo o coordenador do Observatório de Clima e Saúde, a principal contribuição do artigo é o modelo desenvolvido, incorporando informações climáticas, que permite predizer a chance de grande número de casos, com três meses de antecedência. Com essa antecedência, torna-se possível tomar medidas locais de controle da população de mosquitos nas cidades. “O verão de 2014 apresentou redução de 80% no número de casos de dengue, se comparado com o verão de 2013, pois tivemos um verão atípico, muito quente e seco. O mais importante é que esse sistema de alerta disponibiliza para a população e os espectadores que irão às cidades dos jogos informações que normalmente seriam divulgadas pela imprensa de forma superficial. Esse é um exemplo de prestação de serviço sobre clima e saúde pública relevante para todos”, considera Barcellos.

Acesse o artigo completo aqui.

 

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias

 

altalt Voltar à pagina inicial

Outras notíciasaltarrow-2