O encontro continental de educação médica continuada reuniu diversos profissionais, dentre infectologistas e hepatologistas brasileiros e estrangeiros, sendo considerado um programa de imersão em hepatologia, ao possibilitar aos inscritos dois dias de discussão sobre os principais desafios e perspectivas do tratamento de hepatites virais.

Reconhecido pela Sociedade Brasileira de Hepatologia (SBH), o seminário possui apoio da Associação Latino Americana para o Estudo do Fígado (ALEH). A médica Vivian Rotman, da Asclin, foi uma das autoras do trabalho apresentado pelo Instituto que abordou a vigilância ativa da alfainterferona 2b. Ela conta que os resultados da pesquisa foram obtidos através da análise do uso do produto em um estudo da vida real, ou seja, não controlados e aplicados em pacientes que já estavam em tratamento nos Hospitais Geral de Bonsucesso e Universitário da UFRJ
( Clementino Fraga Filho).

“O resultado obtido comprova que nosso produto é seguro e tem qualidade para ser administrado neste tipo de paciente”, afirma. Vivian acredita que a participação em congressos da área é fundamental para a troca de experiências entre pesquisadores e especialistas de diferentes entidades nacionais e internacionais. “Foi a primeira vez que apresentei trabalho no Hepatologia do Milênio e considero a experiência muito enriquecedora”, conclui.

Sobre a Alfainterferona 2b

Indicada no tratamento de doenças graves como as hepatites crônicas causadas pelos vírus B e C, é fornecida por Bio-Manguinhos desde janeiro de 2006 em três apresentações (3 MUI, 5 MUI e 10 MUI).

 

Jornalista: Isabela Pimentel

 

altalt Voltar à pagina inicial

Outras notíciasaltarrow-2