O Conselho Internacional de Controle de Narcóticos (INCB), a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) divulgaram comunicado solicitando aos governos nacionais que garantam a aquisição e o fornecimento de medicamentos controlados em atendimento às necessidades dos pacientes que requerem medicamentos controlados internacionalmente, infectados ou não pela COVID-19.

De acordo com as instituições, “é necessário garantir o acesso a medicamentos controlados, como sedativos e analgésicos, para protocolos de intubação no tratamento de pacientes com COVID-19. Os pacientes “não-COVID” continuam a necessitar de medicamentos controlados para o tratamento da dor, há necessidade de anestesia para os cuidados cirúrgicos, medicamentos para a saúde mental e a manutenção de boas condições neurológicas, além da dos tratamentos do transtorno por uso de drogas”.

“Estes pacientes enfrentavam barreiras para acessar medicamentos controlados antes da pandemia. A COVID-19 resultou em novas interrupções na cadeia de abastecimento de medicamentos, e é fundamental que o acesso a serviços essenciais de saúde e medicamentos não seja esquecido ou não priorizado durante esta pandemia”, defendem.

As três instituições relatam que, durante emergências críticas de saúde pública, como a atual, os governos nacionais podem utilizar procedimentos de controle simplificados para a exportação, transporte e fornecimento de medicamentos que contenham substâncias controladas, “especialmente nos casos em que as autoridades competentes dos países importadores não podem operar com capacidade plena”.

 

Acesse o especial sobre coronavírus do site de Bio-Manguinhos

 

Jornalista: Paulo Schueler, com informações da OMS. Imagem: Freepik.