qualidade sono durante quarentenaO grupo de pesquisa Cronobiologia aplicada à saúde coletiva do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh) da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) produziu documento com orientações para que, durante a pandemia da COVID-19, busque-se qualidade no sono.

Em 2015, a Fundação Nacional do Sono havia divulgado recomendações de duração do sono segundo faixa etária, mas o momento atípico e de isolamento social propiciou uma piora em distúrbios como sono alterado, insônia, ansiedade e alteração de humor, dentre outros fatores.

De acordo com a pesquisadora do Cesteh Liliane Teixeira, a baixa qualidade do sono prejudica a saúde, inclusive psíquica, durante a realidade atual. “Durante o sono, há restauração energética, eliminação de radicais livres, regulação endócrina e aumento da defesa imune, por meio da consolidação da memória imunológica e das funções imunológicas pró-inflamatórias, com aumento e ativação de linfócitos T nos linfonodos. A privação, diminuição ou fragmentação do sono produz distúrbios neuroimunoendócrinos”, comenta Liliane.

O material do grupo de pesquisa, que reúne 23 dicas para melhorar sua qualidade de sono, está disponível para leitura.

 

Acesse o especial sobre coronavírus do site de Bio-Manguinhos

 

Jornalista: Paulo Schueler. Imagem: Drawlab, Freepik.