img saude mental infantil aulas escolaFundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) divulgou uma série de dicas para apoiar as crianças na volta às escolas durante a pandemia da COVID-19. De acordo com a Unicef, isso foi necessário pois “o surto de coronavírus causou grandes interrupções na vida cotidiana e as crianças estão sentindo essas mudanças profundamente. Embora o retorno à escola não seja apenas bem-vindo, mas também empolgante para muitos estudantes, outros se sentirão ansiosos ou assustados”.

É para colaborar para o bem-estar psíquico das crianças a enfrentarem possíveis emoções complicadas na volta às aulas que a Unicef formulou o seguinte perguntas e respostas:

 

Meu filho está com medo de voltar para a escola. Como posso ajudá-lo a se sentir à vontade?

Começar a escola ou começar um novo ano escolar pode ser estressante, ainda mais durante uma pandemia. Você pode fazê-lo se sentir à vontade tendo uma conversa aberta sobre o que o preocupa e informando que é natural sentir-se ansioso.

As crianças podem sentir-se nervosas ou relutantes em voltar à escola, principalmente se estiverem aprendendo em casa há meses. Seja honesto - por exemplo, você pode simular algumas das mudanças que eles presenciarão na escola, como a necessidade de usar roupas de proteção, como máscaras. As crianças também podem achar difícil se manterem fisicamente distantes dos amigos e professores enquanto estão na escola – e você pode incentivá-las a pensar em outras maneiras de se relacionarem e permanecerem conectados com o ambiente.

Tranquilize as crianças sobre as medidas de segurança adotadas para manter os alunos e professores saudáveis e lembre às crianças que elas também podem ajudar a evitar a propagação de germes lavando as mãos com sabão e tossindo ou espirrando no cotovelo.

Lembre às crianças os aspectos positivos - elas poderão estar com seus amigos e professores se estiverem voltando fisicamente para a sala de aula e continuarem aprendendo coisas novas.

 

A escola do meu filho está recomendando o uso de roupas de proteção, o que está deixando meu filho mais nervoso. O que devo dizer a ele?

Aborde esta conversa com empatia, dizendo que você sabe que ele está ansioso com o coronavírus, mas que é saudável falar sobre nossas preocupações e emoções. As crianças também podem ficar chateadas ou frustradas se encontrarem dificuldades para usar máscaras, principalmente quando correm ou brincam. Você pode garantir a seus filhos que muitos adultos estão trabalhando duro para manter sua família segura, e enfatize que é importante que todos sigamos as medidas recomendadas para cuidar de membros mais vulneráveis de nossa sociedade.

 

Como posso incentivar meu filho a seguir as precauções (como lavar as mãos com frequência, manter distanciamento físico, etc) na escola sem alarmá-lo?

Uma das melhores maneiras de manter as crianças protegidas da COVID-19 e de outras doenças é simples: incentivar a lavagem regular das mãos. Não precisa ser uma conversa assustadora. Cante com ele a música preferida do mesmo ou dancem juntos para tornar o aprendizado divertido. Certifique-se de ensiná-los sobre como, mesmo que invisíveis, os germes ainda podem estar lá. Quando as crianças entendem por que precisam lavar as mãos, é mais provável que continuem fazendo isso.

Você também pode mostrar às crianças como cobrir a tosse ou espirrar com o cotovelo e pedir que elas lhe digam se elas começam a sentir febre, tosse ou dificuldade em respirar.

 

Meu filho não faz parte do mesmo grupo que seus amigos íntimos que retornam à escola e se sente ainda mais isolado. Como ele pode se sentir mais conectado à sala de aula e a seus amigos?

Se a escola do seu filho começar a retornar de forma gradual, ele poderá ficar ansioso por ser separado dos amigos. Continue assegurando a seu filho que as escolas serão abertas novamente para todos os alunos quando for seguro. Quando a reabertura oficial das escolas for anunciada, ajude-o a se preparar para retornar à escola, compartilhando informações sobre quando e como isso acontecerá.

Informar antecipadamente a seus filhos que as escolas talvez precisem fechar novamente os ajudará a se preparar para a possibilidade de futuros ajustes no retorno às aulas. Também é importante continuar lembrando a eles que o aprendizado pode acontecer em qualquer lugar - na escola e em casa - e que eles também podem manter contato e apoiar seus amigos online enquanto isso.

O uso seguro e monitorado de jogos online, mídias sociais e programas de bate-papo por vídeo pode oferecer grandes oportunidades para as crianças se conectarem, aprenderem e brincarem com seus amigos, pais e parentes enquanto estiverem em casa. Você também pode incentivar seus filhos a usarem suas vozes online para compartilhar suas opiniões e apoiar os que mais precisam durante esta crise.

Você pode incentivar seus filhos a aproveitarem as ferramentas digitais que os colocam em movimento, como vídeos de exercícios online para crianças e videogames que exigem movimentos físicos. Lembre-se de equilibrar a recreação online com atividades offline, incluindo o tempo em ambiente externo, se isto for possível.

 

Como conversar com meu filho para saber como ele está lidando?

É importante ter calma e ser proativo em suas conversas com crianças – conecte-se com elas para ver como elas estão. As emoções delas mudam regularmente e você precisa mostrar que está tudo bem.

Como as crianças geralmente seguem as pistas emocionais dos principais adultos de suas vidas - incluindo pais e professores -, é importante que os adultos gerenciem bem suas próprias emoções e mantenham a calma, escutem as preocupações das crianças, falem gentilmente e tranquilizem-nas.

 

Há algo que eu deva observar quando meu filho voltar à escola?

Além de verificar a saúde física e o aprendizado de seu filho quando ele voltar para a escola, você também deve estar atento a sinais de estresse e ansiedade. A pandemia pode estar afetando a saúde mental de seu filho e é importante demonstrar que é normal e correto sentir-se oprimido às vezes. Em caso de dúvida, empatia e apoio são os caminhos a percorrer.

Também há preocupação de que os incidentes de estigmatização e bullying possam aumentar quando as crianças retornarem à escola, devido a algumas informações erradas em torno da COVID-19. Você deve explicar que o vírus não tem nada a ver com a aparência de alguém, de onde eles são ou qual idioma eles falam. Se eles forem chamados de forma desagradável ou intimidados na escola, devem ser incentivados a contar a um adulto de confiança. Lembre aos seus filhos que todos merecem estar seguros na escola e online. O assédio moral é algo sempre errado e cada um de nós deve fazer a nossa parte para espalhar a gentileza e apoiar um ao outro.

 

Meu filho está preocupado com o bullying na escola e online, como posso conversar com ele sobre isso?

Se seu filho estiver preocupado com o assédio moral, pessoalmente ou online, é importante que ele saiba que não está sozinho e que sempre pode conversar com você ou outro adulto de confiança. Quanto mais você conversar com seus filhos sobre bullying, mais confortáveis eles estarão dizendo se eles o observam ou experimentam. Entre em contato com seus filhos diariamente e pergunte sobre o tempo que passam na escola e suas atividades online e também sobre seus sentimentos. Como algumas crianças podem não expressar suas emoções verbalmente, você também deve observar qualquer comportamento ansioso ou agressivo – eles podem indicar que algo está errado.

Você também deve envolver seus filhos em conversas abertas e honestas sobre como se manter seguro online. Tenha um diálogo honesto com seus filhos sobre com quem eles se comunicam e como. Certifique-se de que eles entendam o valor das interações gentis e de apoio e que o contato discriminatório ou inadequado nunca é aceitável. Se seus filhos passarem por algumas destas situações, incentive-os a avisar você ou um adulto de confiança imediatamente. Esteja alerta se notar que seu filho está se recolhendo ou chateado, ou usando os dispositivos móveis mais ou menos do que o habitual; isso pode ser um sinal de que eles estejam sendo intimidados online.

Também é importante se familiarizar com as políticas de segurança e bullying da escola de seu filho, bem como com os mecanismos de referência e as linhas de apoio apropriadas disponíveis.

 

Acesse o especial sobre coronavírus do site de Bio-Manguinhos

 

Jornalista: Paulo Schueler, com informações da Unicef. Imagem: Tuuyindee - Freepik.com