A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) publicou a versão em português do novo guia da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o uso e descarte das máscaras cirúrgicas e de tecido que estão sendo usadas pela população durante a pandemia do novo coronavírus.

Além de traduzido, o documento incorpora as descobertas científicas mais recentes que permitem a atualização de conselhos práticos sobre o uso das máscaras. Dentre as principais mudanças, destacam-se aquelas relacionadas ao uso de máscaras por profissionais de saúde e detalhes específicos sobre a utilização de máscaras de tecido para o público em geral nas áreas definidas como “de transmissão comunitária”, locais onde a COVID-19 está muito difundida.

De acordo com o guia, é fundamental usar máscaras de tecido quando não for possível ao indivíduo estabelecer um distanciamento físico de pelo menos 1 metro, como nos transportes públicos, elevadores e demais ambientes confinados ou fechados.

Máscaras cirúrgicas (ou médicas)

As máscaras cirúrgicas (ou médicas) podem proteger o indivíduo que a usa de ser infectado e impedir que uma pessoa com sintomas da COVID-19 espalhe o vírus Sars-Cov-2 no ambiente. Ade acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), seu uso é aconselhável para:

- Trabalhadores de saúde;

- Pessoa com sintomas sugestivos de COVID-19, inclusive sintomas leves, como perda de olfato ou paladar; 

- Pessoa que cuida de casos suspeitos ou confirmados de COVID-19 fora das unidades de saúde;

- Pessoa com 60 anos ou mais; e

- Pessoa de qualquer idade com doença cardiovascular, diabetes, doença pulmonar crônica, câncer, doença cerebrovascular e imunossupressão.

Máscaras de tecido não cirúrgicas 

As máscaras de tecido não cirúrgicas, usadas pela maioria da população, apresentam poucas evidências sobre sua eficácia – desta forma, a OMS não recomenda seu amplo uso para o controle da COVID-19.

Em locais de transmissão generalizada, e especialmente em locais onde o distanciamento físico de pelo menos 1 metro não é possível, é aconselhável pelo menos o uso destas máscaras não cirúrgicas de tecido. A combinação de materiais para sua confecção deve incluir três camadas:

- Camada interna feita de material hidrofílico (algodão ou misturas de algodão);

- Camada intermediária feita de material sintético não tecido, como polipropileno, ou mesmo de algodão, para melhorar a filtração e reter gotículas; e

- Camada externa feita de polipropileno, poliéster ou da mistura destes materiais.

O guia atualizado traz ainda informações de como usar e cuidar de uma máscara de tecido. Para seu uso correto, o passo a passo é:

- Limpar as mãos antes de colocar a máscara;

- Inspecionar a máscara para verificar a existência de rasgos ou buracos;

- Ajustar a máscara para cobrir boca, nariz e queixo, sem deixar lacunas nas laterais;

- Não tocar na máscara enquanto a estiver usando;

- Trocar a máscara se estiver suja ou molhada;

- Limpar as mãos antes de tirar a máscara;

- Retirar a máscara removendo-a por trás das orelhas, sem tocar na parte frontal da máscara; e

- Limpar as mãos após remover a máscara.

Também de acordo com o guia atualizado, outros cuidados devem ser observados:

- Se a máscara de tecido não estiver suja ou úmida e seja necessário reutilizá-la, colocar em saco plástico descartável limpo e hermeticamente fechado. Para usar novamente, segurar a máscara nas alças elásticas ao removê-la do saco;

- Lavar as máscaras de tecido com sabão ou detergente e de preferência com água quente (pelo menos 60 graus) pelo menos uma vez por dia;

- Se não houver água quente, lavar a máscara com sabão/detergente e água à temperatura ambiente, seguida de fervura da máscara por 1 minuto; e

- Não compartilhar máscara com outras pessoas.

Acesse a íntegra da Orientação sobre o uso de máscaras no contexto da COVID-19. Orientação provisória, 5 de junho de 2020.

 

Acesse o especial sobre coronavírus do site de Bio-Manguinhos

 

Jornalista: Paulo Schueler, com informações da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). Imagem: Zasabe - Freepik.com