Os Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacens) exercem papel fundamental no enfrentamento à pandemia da COVID-19 no Brasil. Até sexta-feira (29), esta rede de laboratórios públicos e que faz parte do Sistema Único de Saúde (SUS) realizou 485 mil testes RT-PCR (biologia molecular) para COVID-19. De acordo com o Ministério da Saúde, "graças ao esforço diário dos profissionais que atuam nos Lacens, o país aumentou em 451% a capacidade de testagem para a doença na rede pública de saúde. A média diária de exames RT-PCR, que em março foi de 1.689, passou para 7.624 neste mês de maio".

A proporção de testes realizados em relação aos solicitados estava em 71,2%, com muitos Lacens funcionando 24 horas por dia, 7 dias da semana, devido à dedicação de milhares de profissionais. De acordo com o secretário substituto de Vigilância em Saúde (SVS), Eduardo Macário, "no Brasil cerca de 59% dos exames solicitados tem o resultado pronto em aproximadamente dois dias".

Ainda de acordo com a SVS, os Laboratórios Centrais de Saúde Pública do Brasil têm nível de excelência em termos de diagnóstico e os resultados por eles disponibilizados colaboram para a Vigilância Epidemiológica do país, o que permite ao Ministério da Saúde definir melhores estratégias de enfrentamento à pandemia da COVID-19.

No Brasil, o programa Diagnosticar para Cuidar estabelece a estratégia nacional de vigilância epidemiológica e laboratorial para a COVID-19. No SUS, são realizados o teste RT-PCR (biologia molecular), que identifica a presença do material genético do vírus em amostras respiratórias do ser humano em até sete dias do início dos sintomas; e o teste rápido (sorologia IgM e IgG), que identifica a presença de anticorpos no organismo humano à infecção pela COVID-19. Segundo o Ministério da Saúde, este teste deve ser feito apenas a partir do oitavo dia de início dos sintomas, já que este é o tempo mínimo necessário para que o organismo desenvolva defesa contra o vírus e os anticorpos possam ser detectados pelo teste rápido.

 

Acesse o especial sobre coronavírus do site de Bio-Manguinhos

 

Jornalista: Paulo Schueler