varíolaEm 8 de maio de 1980 a 33ª Assembleia Mundial da Saúde declarou que "o mundo e todos os seus povos estão livres da varíola", frase que marca a maior conquista de saúde pública da História e o fim de uma doença que acompanhou a humanidade por 3 mil anos, custando 300 milhões de vidas apenas no século XX.

A varíola foi erradicada graças a um esforço global de 10 anos liderado pela Organização Mundial da Saúde, que envolveu milhares de profissionais de saúde em todo o mundo para administrar meio bilhão de vacinas a um custo de US$ 300 milhões - recursos que desde 1980 geram economia anual de cerca de US$ 1 bilhão, custo dos sistemas de saúde caso a doença ainda existisse.

Em um evento virtual realizado na sede da OMS em meio à pandemia de COVID-19, que contou com a participação de atores-chave da erradicação, o diretor-geral da Organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que “enquanto o mundo confronta a pandemia de COVID-19, a vitória da humanidade sobre a varíola é um lembrete do que é possível quando as nações se reúnem para combater uma ameaça comum à saúde".

O mundo se livrou da varíola graças ao esforço global coletivo e porque dispunha de vacina segura e eficaz. Tedros afirmou ainda que a erradicação da varíola oferece esperança aos esforços para eliminar doenças infecciosas como a poliomielite, endêmica em apenas dois países. Até o momento, 187 países, territórios e áreas foram certificados livres da doença do e no caminho para alcançar a eliminação.

No evento comemeorativo dos 40 anos, a OMS apresentou um selo postal comemorativo "para reconhecer a solidariedade global que impulsionou a iniciativa e honrar os esforços dos trabalhadores da saúde que garantiram seu sucesso". O selo ilustra esta matéria e foi desenvolvido pela Administração Postal das Nações Unidas (UNPA) em colaboração com a OMS.

“As lições aprendidas com a varíola são usadas hoje para responder a surtos de doenças. A busca ativa de casos de casa em casa, por exemplo, sustenta o programa de erradicação da poliomielite e a vacinação em anel de contatos está ajudando a combater a propagação da doença pelo vírus ebola. Da mesma forma, campanhas de vigilância, busca de casos, testes, rastreamento de contatos, quarentena e comunicação são essenciais para controlar a COVID-19", explicou David Heymann, professor de epidemiologia de doenças infecciosas da London School of Hygiene & Tropical Medicine e Distinguished Fellow, Global Health Security na Chatham House, London.

Com o fim da varíola, OMS e UNICEF lançaram o Programa Expandido de Imunização, no qual 85% das crianças do mundo foram vacinadas.

Para comemorar a erradicação da varíola, a OMS está chamando museus, empresas de exibição, designers, curadores e associações a desenvolver uma exposição imersiva, interativa e educacional sobre a varíola e sua relevância para a COVID-19 e a segurança global de saúde. A exposição será apresentada no final de 2020. Mais informações pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

Jornalista: Paulo Schueler, com informações da OPAS