O Instituto de Tecnologia em Imunológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) entregou, até o dia 24/3, mais de 43 mil testes moleculares para diagnóstico do novo coronavírus (SARS-COV-2) ao Ministério da Saúde, seguindo a previsão de chegar a até 50 mil ainda no mês de março e aumentar a escala de modo a atender ao compromisso de entrega de ao menos um milhão de testes nos próximos 4 meses. Para isso, a instituição segue em contato direto com os fornecedores para garantir os insumos necessários.

Com o aumento dos casos em todo o mundo e as evidências de sucesso no que tange a estratégia de monitoramento com testes em larga escala, o Instituto também está se mobilizando para fornecer testes sorológicos rápidos, de modo a viabilizar a ampliação do diagnóstico no país. Ao passo em que os moleculares detectam o material genético do vírus no organismo pouco tempo após a infecção, os testes rápidos detectam anticorpos a partir do 5º dia após o início dos sintomas. A vantagem desta metodologia é que dispensa estrutura laboratorial podendo ser utilizada no local de atendimento.

Bio-Manguinhos/Fiocruz possui capacidade instalada e parcerias de longa data para estabelecer a produção dos testes rápidos com tecnologia de ponta. No momento está acordado o fornecimento de 1 milhão de testes, dos quais os primeiros 100 mil têm previsão para o mês de abril.

Mas as iniciativas não param por aí. Em paralelo, a Fiocruz está avaliando produtos apresentados por outros parceiros internacionais para aumentar o fornecimento de testes, de modo a atender as necessidades apresentadas pelo Ministério da Saúde para o enfrentamento do novo coronavírus. Com a confirmação da qualidade dos mesmos, o volume de entregas poderá crescer substancialmente.