O Dia D da campanha de vacinação contra o sarampo e a poliomielite será no próximo dia 19 de outubro. Mas, você sabe quando e por quais motivos foram instituídas as campanhas para imunização?

Em 1961, foi regulamentado o Código Nacional de Saúde, Lei nº 2.312, de 3 de setembro de 1954, que estabeleceu as Normas Gerais sobre Defesa e Proteção da Saúde (Decreto nº 49.974-A, de 21/1/1961). No mesmo ano, foram realizadas as primeiras campanhas com a vacina oral contra a poliomielite, em projetos experimentais em Petrópolis/RJ e Santo André/SP.

Mas somente no ano seguinte (1962), que foi instituída a primeira Campanha Nacional contra a Varíola. C coordenada pelo Departamento Nacional de Saúde, com a organização de operações de vacinação em diversos estados, mediante mobilização de recursos locais. A iniciativa levou à erradicação da doença no Brasil e, em 1981, foi extinta a obrigatoriedade da vacinação contra a varíola.

Mas o fato é que a rede de postos de saúde vacinava muito pouco, menos de 50% das crianças menores de um ano. Em dezembro de 1979, ocorreu uma epidemia de poliomielite na fronteira entre Paraná e Santa Catarina. Assim, inicia-se em 1980 a 1ª campanha nacional de vacinação contra a poliomielite, com a meta de vacinar todas as crianças menores de 5 anos em um só dia.

Em 1984, foi feita a primeira tentativa de aproveitar os dias nacionais antipólio para aplicar, também, as vacinas tríplice e contra o sarampo. A experiência funcionou apenas parcialmente e por isso foi abandonada. Mas seria retomada em 1990, tendo funcionado em todo o País e deixando, como resultado positivo, a constatação de que não comprometia a vacinação de rotina contra pólio e permitia excelente recuperação dos índices para as demais vacinas.

O último caso de poliomielite no Brasil ocorreu na Paraíba em março de 1989. Em setembro de 1994 o Brasil junto com os demais países da região das américas, recebeu da Comissão Internacional para a Certificação da Ausência de Circulação Autóctone do Poliovírus Selvagem nas Américas, o certificado que a doença e o vírus foram eliminados de nosso continente.

A partir de 1991, outras vacinas foram introduzidas nos dias nacionais e regionais de vacinação. Mas as campanhas não substituem a vacinação de rotina. Pelo contrário: é fundamental que a população tome consciência de que é preciso ir regularmente ao posto de saúde, em qualquer dia do ano, para se vacinar. A campanha é uma estratégia utilizada quando há necessidade de controlar mais rapidamente certa doença.

 

Leia mais: 

Começa a campanha de vacinação contra o sarampo

Calendário de Vacinação

 

Leia também: 

Campanhas Nacionais de Vacinação

Cronologia Histórica da Saúde Pública (Fundação Nacional da Saúde/FUNASA)

 

Jornalista: Carolina Landi, com informações do Programa Nacional de Imunizações (PNI) e Revista da Vacina.