barbeiroSegundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença de Chagas está entre as 17 mais importantes enfermidades negligenciadas. A pesquisadora da Faculdade de Medicina (FM) da USP Maria Lígia Capuani analisou dados de doadores de sangue entre 1996 e 2000 e comparou com as informações fornecidas pelo Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) no Brasil.

Com base no universo de 8.526 doadores de sangue do Hemocentro de São Paulo, a conclusão foi que a mortalidade de portadores de Chagas é 2,3 vezes maior em relação aos casos que não apresentam a doença. Na análise de atestados de óbito de soropositivos, foi verificada uma subnotificação de 42%.

 

Doadores de sangue de São Paulo foram objetos de estudo.
Imagem: Creative Commons

 

Maria Lígia considera que o estudo aponta a necessidade de dar maior atenção à Chagas no atestado de óbito e a importância do médico buscar o histórico do paciente. Além disso, ela destaca que, apesar do vetor da doença já ser controlado, as pesquisas precisam de avanço quanto ao tratamento dos infectados.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré. Ouça o programa completo aqui.

 

Fonte: Jornal da USP

 
Leia mais: