“Na semana passada, recebemos certificado da Organização Pan-Americana de Saúde da eliminação do sarampo, da rubéola e da síndrome da rubéola congênita”, afirmou a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Carla Domingues, durante a cerimônia de abertura do V Seminário Anual Científico e tecnológico de Bio-Manguinhos, em 2 de maio.

Para Carla, isso não seria possível sem a existência do “tripé que sustenta o PNI”. “Temos os profissionais de saúde das três esferas do SUS envolvidos no trabalho diário das ações de imunização e a gestão. Desde que esse programa foi criado, ele foi definido como uma prioridade de governo independente do partido político que esteja governando esse país”. Por fim, a produção dos imunobiológicos no país.

 

carla-domingues-vsact

Coordenadora do PNI, Carla Domingues, falou sobre a eliminação
do sarampo, da rubéola e da síndrome da rubéola congênita no
país. Imagem: Bernardo Portella - Ascom / Bio-Manguinhos

 

“Temos hoje sete produtores de vacina que garantem a sustentabilidade das ações de imunização, fazendo com que nós possamos hoje ter 14 vacinas no programa das crianças, oito na dos adolescentes e 5 vacinas disponíveis no calendário dos adultos e idosos. Todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) estão incluídas no PNI. Esse sucesso de 44 anos, que o PNI comemora em 2017, só foi possível graças a termos essa garantia de fornecimento de vacinas”, ressaltou Carla.

Confira a cobertura completa do V SACT no hotsite: http://sact.bio.fiocruz.br/2017/index.php/noticias

 

Jornalista: Paulo Schueler