noticia home 1A Secretaria de Saúde de Minas Gerais informou nesta segunda-feira (9) que investiga 14 mortes por suspeita de febre amarela em cidades do interior do estado. Ainda de acordo com a secretaria, 23 casos suspeitos da doença foram notificados.

A secretaria disse também que entre os 23 casos investigados, 16 são considerados prováveis, pois os pacientes apresentaram critério de caso suspeito, segundo o Guia de Vigilância em Saúde e com exame laboratorial preliminar positivo, realizado pela Fundação Ezequiel Dias (Funed). A confirmação ainda depende de investigação. Segundo a secretaria, todos pacientes são homens, aposentados ou agricultores, e moram em área rural.

As cidades com mais casos prováveis, entre esses 16, são Imbé de Minas, com 3; e Caratinga, Ubaporanga e Ipanema com 2. Ainda foram registrados casos prováveis nas cidades de Inhapim, Piedade de Caratinga e São Domingo das Dores, Itambacuri, todas no vale do Rio Doce; e Frei Gaspar, Ladainha e Poté, no Vale do Mucuri.

Em Entre Folhas e São Sebastião do Maranhão, ambas no Vale do Rio Doce, não foram registrados casos prováveis, mas houve registro de casos de mortes em macacos e animais doentes.

 

yellowfever-430x285

A vacina de febre amarela é produzida por Bio-Manguinhos. 
Imagem: Bernardo Portella - Ascom / Bio-Manguinhos

 

Em Caratinga, São Domingo das Dores, Ipanema e Ladainha também houve registro de macacos mortos ou doentes.

A secretaria afirmou ainda que a transmissão na área rural está relacionada ao mosquito, o Haemagogus. A febre amarela também é transmitida pelo Aedes aegypti, mas somente em ambiente urbano. Não há casos investigado em áreas urbanas.

As notificações começaram na última quinta-feira (5). A secretaria alertou para atualização de vacinas para quem for viajar para estas cidades. Disse ainda que as vacinas estão disponíveis e um reforço no estoque já foi solicitado ao Ministério da Saúde.

O último caso de febre amarela rural foi registrado em Minas em 2009. Já a urbana não é registrada desde 1942 no Brasil, segundo o órgão.

 

Fonte: G1 Minas Gerais