coleta-seletiva-100x100-2Para reforçar seu compromisso e responsabilidade com a sustentabilidade ambiental, Bio-Manguinhos realizou uma série de ações na semana do Dia do Meio Ambiente, comemorado em 5 de junho. Uma delas foi a coleta seletiva de papéis, plásticos metais e lixo eletrônico. A ação foi idealizada através de uma parceria entre a Responsabilidade Socioambiental (Somar), Gestão do Conhecimento (CG) e Assessoria de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente (AESTM).

No dia 9 de junho, os colaboradores trouxeram materiais que não utilizavam e os depositaram nos coletores seletivos montados com o reaproveitamento de pallets de madeira. A ideia para construção dos coletores reciclados chegou ao Banco de Ideias e Sugestões (BIS), uma iniciativa da Gestão do Conhecimento e foi dada pelo colaborador Paulo Victor Santos de Oliveira, da AESTM. “Queria reaproveitar as madeiras, que muitas vezes eram descartadas e transformar em algo que trouxesse ganhos para a unidade”, conta.

A longo prazo, a ideia é substituir as lixeiras de plástico pelos novos coletoreso que trará economia para a instituição, complementa Paulo. Para construção dos coletores de pallets, Paulo contou com apoio do Departamento de Engenharia e Manunteção (Depem). Além dos coletores seletivos, outra iniciativa em fase de conclusão é a construção de um ecoponto próximo ao prédio do Departamento de Garantia da Qualidade (Degaq).

Kleiton Felipe Trajano da Silva, da Seção de Controle, Conservação e Segurança Patrimonial (Sepat) viu a possibilidade de reutilizar os pallets de plástico, para construir algo maior, destinado a armazenagem de grande quantidade de resíduos. “Essa é a natureza do ecoponto: permitir a concentração dos itens em um único local, facilitando a coleta, além de possibilitar que os funcionários tragam materiais recicláveis de casa”, destaca. Com apoio da Divisão de Serviços Gerais (DISEG) foi possível providenciar a identificação do ecoponto e a equipe da SEPAT montou a estrutura de armazenamento. Cada um dos coletores seletivos de plástico do ecoponto tem a capacidade de mil litros.

 

coleta-seletiva-430x285

Os colaboradores depositaram materiais que não utilizavam mais nos
coletores seletivos. Imagem: Isabela Pimentel - Ascom / Bio-Manguinhos

 

No fim da tarde do dia 9, foram anunciados os nomes dos colaboradores que mais depositaram materiais recicláveis nos novos coletores seletivos. Em primeiro lugar, ficou Rosane Santos Araújo, do Novo Centro de Processamento Final (NCPFI), que recolheu 32,5kg; em segundo, Alex Jorge S. de Abreu, do Departamento de Garantia da Qualidade (Degaq), com 31kg e em terceiro, Beatriz Fialho, do Projeto Bio-Ceará, com 12,9kg.

E as iniciativas não param por aí. A analista ambiental da AESTM, Maria Ivone Bussons, também utilizou o BIS para sugerir outra ideia sustentável: o uso de cartões semente. Eles funcionam da seguinte forma: uma semente é colocada dentro de uma pasta obtida após o papel ser triturado. Depois, a pasta é colocada dentro de uma forma para secar e após a secagem, são cortados pequenos cartões contendo as sementes.  Esses cartões serão plantados na terra e as sementes germinarão. “ A ideia é utilizar os papéis descartados depositados nos coletores azuis das áreas administrativas da instituição e  reaproveita-los de forma sustentável transformando-os em cartões sementes, dando vida no plantio de novas árvores frutíferas. É uma forma de conscientização ambiental e participação lúdica com as crianças do projeto Somar”, destacou.

As crianças e adolescentes que participam dos projetos do Somar iniciaram no dia  13 de junho as oficinas de montagem dos cartões semente. “Todas essas iniciativas tem a cara do Somar. Ao envolvermos crianças nestas ações, estamos pensando no futuro do nosso planeta”, conclui a coordenadora do Somar, Gisele da Silva.

Todas essas ações foram possíveis pela iniciativa dos colaboradores de compartilharem suas ideias no Bis. "O BIS é uma ferramenta para estímulo à inovação e possibilita essa integração entre as diversas áreas e colaboradores da instituição, criando uma rede interna de colaboração”, conclui Tatiana Sanjuan, coordenadora do projeto na Gestão do Conhecimento. 

 

Jornalista: Isabela Pimentel