Representando a maior carga de morbimortalidade no país, as Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT)  tem sido alvo das preocupações de diversas políticas do Ministério da Saúde. Uma delas, o Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis, lançado em 2011, visava controlar diabetes, câncer e doença respiratória crônica, predominantemente pelo controle do fumo, inatividade física, alimentação  inadequada e uso prejudicial de álcool. 

Como forma de resposta ao cenário atual, o Plano tem quatro pilares estratégicos: vigilância, informação, avaliação e monitoramento; promoção da saúde e cuidado integral. De acordo com o Ministério da Saúde, o objetivo maior é "promover o desenvolvimento e a implementação de políticas públicas efetivas, integradas, sustentáveis e baseadas em evidências para a prevenção e o controle das DCNT e seus fatores de risco e fortalecer os serviços de saúde voltados às doenças crônicas.”

 

image preview



Consideradas por alguns especialistas uma "epidemia global", tais doenças podem ter seu quadro revertido através de ações de saúde pública, como promoção de melhorias na alimentação e qualidade de vida. Segundo o pesquisador do Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos em Saúde, Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz), Luiz Camacho, é preciso deslocar a ênfase das abordagens de detecção precoce em indivíduos sem sintomas para ações de prevenção e promoção de saúde, "que são mais intuitivas, envolvem outros setores além do setor saúde e têm ampla e crescente base científica", acrescenta.

Camacho ressalta que as principais DNCT que acometem o público brasileiro são as doenças cardiovasculares, principalmente as relacionadas à hipertensão, os cânceres (no plural, para indicar que se trata de categoria muito heterogênea em termos de causas, frequência, grupos de risco, recursos diagnósticos e terapêuticos); e metabólicos (com destaque para o diabetes do tipo II).

Um dos passos para combatê-las é entender os fatores de riscos, para fundamentar ações de prevenção e promoção da saúde baseada em evidências científicas. “No Brasil, a redução do tabagismo nos últimos 15 anos tem sido reconhecida como uma iniciativa bem sucedida, mas seus benefícios podem ter sido descontados pelo aumento na prevalência de obesidade e doenças metabólicas”, compara. 

 

Imagem: Isabela Pimentel