hiv-fluido-oral-100x100O Ministério da Saúde está realizando a campanha de prevenção ao HIV e aids “#partiuteste” durante o Festival Rock in Rio, que começou na última sexta-feira (18) e vai até o próximo domingo (27/9).

 

A campanha tem como objetivo chamar a atenção e conscientizar a população, especialmente os jovens, sobre a importância de fazer o teste de HIV e o iniciar o tratamento em caso de soropositividade e é estratégia do Ministério da Saúde aproveitar eventos populares para fazer esta divulgação.

Lançada em 1º de dezembro do ano passado (Dia Mundial de Luta contra Aids), a campanha se estendeu do Carnaval às festas juninas do Nordeste, do Peão em Barretos (SP), Parintins (AM) e, em breve, ocorrerá também na Oktoberfest, em Blumenal (SC).

 

hiv-teste-bio

Kits da campanha #partiuteste são produzidos em Bio-Manguinhos 

 

Os materiais usam a expressão “#partiuteste”. As peças publicitárias para rádio, anúncios em revistas e vídeos em metrô também estão sendo veiculadas em redes sociais. Também há uso de celulares para envio de mensagens. Jovens do Rio de Janeiro, com aparelhos pré-pagos, na faixa etária entre 16 a 24 anos, recebem um SMS “Fale de graça! Fale de graça! Fale de graça agora! E junte-se na luta contra a aids e divulgue a hashtag #partiuteste. Ligue *4040 e saiba como!”. A partir da ligação, o jovem ouve o spot da campanha para ganhar os créditos.

Além das peças publicitárias, foram instaladas 18 máquinas de preservativos que oferecerão 50 mil camisinhas no Aeroporto Santos Dumont.

Testes são produzidos por Bio-Manguinhos

No início deste ano, o Ministério da Saúde enviou aos estados cerca de 140 mil testes. Produzidos por Bio-Manguinhos, estes testes já estavam sendo utilizados dentro do projeto “Viva Melhor Sabendo”, parceria do Ministério da Saúde com 60 organizações da sociedade civil de todo o Brasil.

“Esse teste é muito importante porque temos hoje em torno de 150 mil pessoas no Brasil que vivem com o HIV e não sabem. Ter um teste rápido que produz o diagnóstico em cerca de 30 minutos de maneira extremamente simples, porque é extraído da boca e não exige infraestrutura laboratorial, nos ajuda muito. Se der positivo, a pessoa tem a possibilidade de procurar o serviço de referência e iniciar o tratamento imediatamente”, explicou o ministro da Saúde, Arthur Chioro, quando do lançamento da campanha.

No teste oral não é necessário furar o dedo ou coletar sangue, como nos exames rápidos e tradicionais já disponíveis nas unidades de saúde do País. O fluido para o teste é extraído da gengiva ou mucosa da bochecha, com o auxílio de uma haste coletora. O resultado sai em até 30 minutos.

A grande vantagem é a segurança e a confiabilidade, além de não necessitar de infraestrutura laboratorial. Quando o resultado dá positivo para HIV, a pessoa é encaminhada à rede de serviço de referência previamente organizada para diagnóstico e tratamento em cada município-sede do projeto.

 

Jornalista: Paulo Schueler, com informações da Agência Saúde

 

 

Voltar à pagina inicial

Outras notíciasarrow-2