Estudos clínicos detectaram altíssimas porcentagens de anticorpos contra caxumbasarampo e rubéola em pessoas vacinadas. Para garantir a proteção, são necessárias duas doses, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O Calendário Nacional de Vacinação, do Ministério da Saúde, agenda as doses aos 12 meses, com a tríplice viral, e aos 15 meses, com a tetravalente viral, que também imuniza contra varicela. A vacina também está disponível para pessoas até 49 anos, a depender da situação vacinal.

Embora a cobertura vacinal do Brasil seja alta, em média de 95%, ela não é igual em todas as localidades. Por isso, é importante os gestores locais analisarem a cobertura vacinal para identificar quais são regiões dos municípios que precisam de reforço da vacinação. 

 

vacina-triplice-destaque-ebc-interna

Análise detectou altíssimas porcentagens de anticorpos contra caxumba, 
sarampo e rubéola em pessoas vacinadas. Imagem: EBC

 

Vacina nas escolas

Nesta segunda-feira (13), o Ministério da Saúde participou de reunião com o grupo técnico assessor de imunização do Estado do Rio de Janeiro e com sociedades científicas. Na reunião, foi reforçada a estratégia de bloqueio à caxumba nas escolas, onde ocorreram casos da doença, vacinando as pessoas consideradas suscetíveis – ou seja, alunos de quaisquer faixas etárias e profissionais das escolas que não tenham recebido duas doses da vacina.

Paralelamente, o atual calendário básico de imunizações está mantido, com as duas doses de imunização contra a caxumba, aos 12 meses e aos 15 meses de vida da criança. As secretarias municipal e estadual de Saúde do Rio de Janeiro já estão realizando o rastreamento dos pontos onde há casos da doença e vacinando as pessoas suscetíveis.

O Ministério da Saúde colocou à disposição das autoridades de Saúde do Rio de Janeiro uma equipe do Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada aos Serviços do Sistema Único de Saúde (Episus) para apoiar a investigação de casos de caxumba.

É importante destacar que a caxumba é considerada uma doença de evolução benigna e a maioria das pessoas está protegida contra a doença depois de receber duas doses da vacina. Vale ressaltar que já ocorreram surtos em outros estados e em outros países. A mesma conduta, adotada pelo Ministério da Saúde e autoridades locais, foi seguida nestes casos. 

 

Fonte: Ministério da Saúde
Imagem da home: Bernardo Portela - Ascom / Bio-Manguinhos

  

 

Voltar à pagina inicial

Outras notíciasarrow-2